Canto Irresoluto

I

Sabe-se que a dor é letal
Ouça este canto sem cor
A vida levou-me a esperança
Não restou sequer a criança
lamentando os resquícios de dor

II

Meu verso é o que me ficou
Despeço de qualquer alegria
Preciso enxergar a saída
O desfecho da minha vida,
meu real encontro com a poesia

III

Falta coragem, me sobra rancor
Os passos que dei em direção ao fim
O caminho solitário até o abismo
A mente perdida em algum sofismo
da hora em que me vi sem mim

IV

Espera-me no céu ou no inferno
O fim é o que ainda me instrui
Este é meu último trago
Hei de reparar o estrago
Tornar-me o que nunca fui

Xúnior Matraga


Comentários

  1. Um pouco de ânimo, por favor.
    Parece-me que está triste, deprimido.
    Boa semana

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Laço

Reflexão